Tumblr_lfh9p03cjl1qbbuybo1_500_large

Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão. Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve. Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, contudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.

Portanto… plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!

Por William Sheakspeare
Anúncios

Make inspirado na Fantasia 2000

Aprenda a fazer uma maquiagem Fantasy

Essa maquiagem é bem Tchan, ela é exótica e até um pouco artística, inspirada no filme Fantasia 2000… Mas se você gosta de uma balada, de ir a um Pub, essa make cai super bem.

Tenho certeza que vocês vão gostar. Leia o resto deste post »


O dia em que Júpiter encontrou Saturno

Tumblr_lev1437rig1qf1jubo1_500_large

Alguém quer afogar as máguas em um texto de amor do Caio F. Abreu? Leia o resto deste post »


Como se mede uma pessoa?

Tumblr_lbi9mvp4bi1qe2k58_large

Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento. Ela é enorme pra você quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado. É pequena pra você quando só pensa em si mesmo, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade. Uma pessoa é gigante pra você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto. É pequena quando desvia do assunto. Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma. Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês. Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas: será ela que mudou ou será que o amor é traiçoeiro nas suas medições? Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo. É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações. Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma. O egoísmo unifica os insignificantes. Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande. É a sua sensibilidade sem tamanho.

Por Martha Medeiros

Beijos, @marirawrr.

 


Texto: Sensibilidadete

Depois dos quinze

Ser sensível nesse mundo requer muita coragem. Muita. Todo dia. Esse jeito de ouvir além dos olhos, de ver além dos ouvidos, de sentir a textura do sentimento alheio tão clara no próprio coração e tantas vezes até doer ou sorrir junto com toda sinceridade. Essa sensação, de vez em quando, de ser estrangeiro e não saber falar o idioma local, de ser meio ET, uma espécie de sobrevivente de uma civilização extinta. Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada. Esse amor tão vívido em terra em que a maioria parece se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza. Esse cuidado espontâneo com os outros. Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada. Esse melindre de ferir por saber, com nitidez, como dói se sentir ferido. Ser sensível nesse mundo requer muita coragem. Muita. Todo dia. Essa saudade, que faz a alma marejar, de um lugar que não se sabe onde é, mas que existe, é claro que existe. Essa possibilidade de se experimentar a dor, quando a dor chega, com a mesma verdade com que se experimenta a alegria. Essa incapacidade de não se admirar com o encanto grandioso que também mora na sutileza. Essa vontade de espalhar buquês de sorrisos por aí, porque os sensíveis, por mais que chorem de vez em quando, não deixam adormecer a ideia de um mundo que possa acordar sorrindo.

Pra toda gente. Pra todo ser. Pra toda vida.

Eu até já tentei ser diferente, por medo de doer, mas não tem jeito: só consigo ser igual a mim. Leia o resto deste post »


Diário no Tempo

Eu quero escrever um diário no tempo.

Espalhar nos anos minhas loucuras, amores e peripécias que criam em meu estômago uma arena onde voam livres milhares de borboletas. Assistir ao cachorro se espreguiçando e sentir a lealdade dele de volta, no quintal ensolarado!

Queria que as páginas voassem com cenas descritas de todas as confusões e ansiedades, e caíssem na minha mão nos momentos vagos daquele domingo de chuva.

Como seria bom se as lembranças fossem sem data e as fotos da festa de ontem durassem na nossa eternidade, sem hora pra acabar.

A idéia imposta pelos físicos de que temos vinte e quatro horas por dia nos condiciona numa ampulheta onde passamos um terço desse tempo dormindo e os outros dois sonhando acordadas com o dia em que todas as formas que a nossa imaginação tomou vão virar realidade. Mas, a real noção de futuro chega quando, logo pela manhã, os mesmos outdoors cheios de gente sorrindo vão passando como slides conforme o carro anda vagarosamente em direção ao semáforo.

A boa notícia: os abraços envoltos de corações meramente ilustrados estão mais ao seu alcance do que imagina! Basta abrir-se ao novo e olhar o relógio apenas para tomar as pílulas de riso, porque o resto…Ah!O resto deve acontecer. Quantas semanas passamos planejando o cenário perfeito, a roupa propícia e a trilha sonora que se encaixe a um encontro, quando a essência dele deve ser nada além do amor?

Não, eu não posso esperar pra eternizar todos os meus feitos, e seria muita injustiça esquecer logo daquele que mais me fez chorar, já que ele fez questão de escrever na testa o que eu não posso fazer de novo. Preciso me encher de lembretes pra registrar toda e qualquer mudança! Afinal, foram tantas discussões com minha consciência que no final cresci mais que a Alice depois de beber o que não devia!

Meus livros? Confere!

Meus affairs…Será que cabe?

E minhas dúvidas? Melhor deixar na mão dos melhores especialistas…

E depois de tanto juntar letrinhas de passados presentes, eras podem passar, mas ninguém deixará de ler minha existência e ninguém tomará de mim o nosso primeiro beijo e o lar que fica onde meu coração está.

E então, alguém me ajuda a escrever um diário no tempo?

Esse texto foi publicado no mais que indicado blog do depoisdosquinze.com originalmente.

Beijos, @marirawrr


Fugindo do Jogo

– Depois que a ficha cai, nesse caso, vem sempre a pior parte: Jogar de novo.

Eu sei as regras, te conheço o suficiente para saber que nada em você é de verdade. Sei perfeitamente que a cada palavra que diz, joga no vento um dado; e assim como em aposta sem sentido, quer chegar sempre na frente.  Parabéns, você está vencendo e me deixando para trás.  Dói agora, mas tenho certeza que depois de uma noite de sono – e choro – estarei melhor. Cicatrizando. Te assistindo de longe, e lembrando de como você mudou. Na verdade, bem no fundo sei que você continua igual, só que não comigo, com ela, com outras, com todas que as que se deixem levar.

Enquanto eu finjo que não ligo, e digo as brincadeiras mais sérias do mundo, eu tento chegar mais perto, mas tenho sempre a sensação que nunca é o suficiente. Enganar alguém que já sabe o final da história talvez não tenha mais tanta graça para você.

Nesse exato momento,  quero  colocar um outdoor bem em frente a sua casa, dizendo: Aqui mora um idiota. Mas, acredito que todos tenham um papel importante aqui na terra, e o seu é justamente esse, iludir, enganar e transformar garotas ingênuas.

Quer saber? Desejo que você seja feliz, só que para o meu bem, longe de mim.

Este texto foi escrito por Bruna Vieira. Bruna é uma blogueira de 16 anos, dona do blog Depois dos Quinze, um sucesso entre as adolescentes meninas. Bruna vai lançar seu primeiro livro ano que vem (2011) e pretende ser uma jornalista.

Beijos, @marirawrr